Casos de leptospirose no RS devem ser 4 vezes maior que em 2023, diz Nísia

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta 4¬™ feira (29.

Foto: Sergio Lima - Poder360

Foto: Sergio Lima - Poder360

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta 4ª feira (29.mai.2024) que o número de casos de leptospirose no Rio Grande do Sul pode ser 4 vezes maior que o registrado em 2023. Deu a declaração a jornalistas.

Em 2023, foram registrados 477 casos de leptospirose e 25 mortes pela doença no Estado, segundo dados do Ministério da Saúde. Já em 2024, são 124 casos confirmados e 5 mortes desde maio, período em começaram as enchentes.

Na 2ª feira (27.mai), a SES-RS (Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul) informou que ainda investiga 922 casos possíveis da infecção e outras 9 mortes. Ao total, 1.588 casos da doença foram notificados.

A cidade com mais casos notificados é Porto Alegre, com 685 casos totais. O número é quase 9 vezes maior que as notificação em Canoas, que ocupa o 2º lugar da lista com 76 casos.

DIAGNÓSTICO E SINTOMAS

Segundo a SES, a doença pode levar até 30 dias para se desenvolver no organismo humano. Os sintomas começam a ser sentidos pelo paciente do 7º ao 14º dia depois da exposição. Quem teve contato com água potencialmente contaminada e apresentar:

  • febre;
  • dor de cabeça;
  • dor no corpo (principalmente nas panturrilhas);
  • vômitos; e
  • pele amarelada (em casos mais graves).

A ministra da Saúde recomendou que não se espere a confirmação do diagnóstico da doença até começar o tratamento.

“Temos testes, o laboratório central está processando esse material. É importante isso para que a gente conheça a realidade, mas o tratamento se dá a partir do momento em que se verificam os sintomas”, afirmou.