Não Faltarão Vacinas e Medicamentos para Vítimas das Enchentes no RS, garante ministra

Em pronunciamento conjunto com o presidente Lula e diversos ministros na cidade de São Leopoldo (RS) nesta quarta-feira (15), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, assegurou que não haverá escassez de vacinas e medicamentos para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul.

Foto: Correio Braziliense

Foto: Correio Braziliense

Em pronunciamento conjunto com o presidente Lula e diversos ministros na cidade de São Leopoldo (RS) nesta quarta-feira (15), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, assegurou que não haverá escassez de vacinas e medicamentos para as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul. Em resposta a informações falsas relacionadas à saúde, a ministra afirmou o envio de 1,2 milhão de doses de vacinas contra diversas doenças, incluindo tétano, difteria, hepatites A e B, coqueluche, meningite, rotavírus, sarampo, caxumba, rubéola, raiva e picadas de animais.

“Infelizmente, somos vítimas de desinformação criminosa, levando pânico à sociedade”, destacou a ministra. “Vamos destinar 1,2 milhão de doses de imunizantes com atenção especial aos problemas que vêm com a inundação. E também estamos encaminhando medicamentos, além dos 100 kits emergenciais que já estão aqui. Estamos comprometidos a salvar vidas”, acrescentou.

Nísia Trindade apresentou um balanço das ações realizadas pelo Ministério da Saúde desde o início da tragédia climática no RS e destacou os danos sofridos pela rede de assistência médica. “Além disso, começamos a analisar propostas para a reconstrução das cerca de 300 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que foram praticamente destruídas”, informou.

Desde o início das enchentes, o Ministério da Saúde tem implementado diversas medidas para atender à população gaúcha. Entre elas, está o repasse de recursos para 246 unidades de assistência, totalizando cerca de R$ 1,5 bilhão destinados ao cuidado em saúde.

O valor total de recursos já repassado aos municípios e ao estado chega a R$ 95 milhões, somado aos recursos da medida provisória (MP) assinada pelo presidente Lula, que destina R$ 816 milhões para a saúde, além de R$ 115 milhões para o Grupo Hospitalar Conceição (GHC) e R$ 540 milhões em emendas parlamentares com pagamentos antecipados.

Nesta terça-feira (14), o Ministério da Saúde deu início aos atendimentos no Hospital de Campanha de Porto Alegre, que funcionará 24 horas por dia e tem capacidade para 200 atendimentos diários. A pasta também tem realizado atendimentos móveis nos abrigos do estado.

Além do fornecimento de medicamentos, o Ministério da Saúde enviou esta semana 600 doses de imunoglobulina para o estado, substância essencial para o combate a vírus e bactérias pelo organismo.