Galípolo elogia Copom e diz que cogitou corte de 0,25 p.p. na Selic

O diretor de Política Monetária do BC (Banco Central), Gabriel Galípolo, elogiou nesta 4¬™ feira (15.

Foto: Metrópoles

Foto: Metrópoles

O diretor de Política Monetária do BC (Banco Central), Gabriel Galípolo, elogiou nesta 4ª feira (15.mai.2024) o Copom (Comitê de Política Monetária) por ter cortado a taxa básica, a Selic, de 10,75% para 10,5% ao ano. Ele votou por uma redução maior, de 0,5 ponto percentual, mas disse que "ganha-se muito" com a decisão final do colegiado.

Ele participou nesta 4ª feira (15.mai.2024) do evento “Summit Valor Econômico Brazil”, realizado pelo jornal Valor Econômico em Nova York, nos Estados Unidos.

Galípolo disse que cogitou cortar a Selic em 0,25 ponto percentual. Afirmou que era uma decisão difícil e que havia argumentos relevantes para os 2 lados. O BC (Banco Central) ficou rachado depois que 5 integrantes do comitê votaram pelo corte de 0,25 ponto percentual e outros 4 optaram pela redução de 0,5 ponto percentual.

O forward guidance é um instrumento usado pelos bancos centrais para delinear o curso futuro da política monetária. É compreendido como um comprometimento público sobre as futuras ações do Copom. No caso da reunião de maio, a sinalização da autoridade monetária de um corte de 0,5 ponto percentual foi contrariada porque o cenário ficou pior que o esperado.

O BC sinalizou uma redução do ritmo dos cortes somente em junho, como havia sido explicitado. Os favoráveis ao corte de 0,25 ponto percentual avaliaram que era melhor mudar o ritmo de redução da Selic do que comprometer a credibilidade da política monetária.

Galípolo disse que diretores antigos conquistaram credibilidade e que os indicados mais recentes são "mais demandados para explicar e esclarecer o que eles pensam". O diretor afirmou que ninguém se surpreendeu com o voto dele, porque ele havia sinalizado que recomendaria o corte de 0,5 ponto.

Apesar de ter cogitado votar por uma Selic de 10,5% ao ano, preferiu atender às expectativas.

"Do meu ponto de vista particular, me preocupava muito qual é a função reação que eu poderia passar ao dar um pivô e meia volta em cima de toda a comunicação que eu vinha fazendo e coerência que eu vinha fazendo. Se eu quero com o tempo ganhar credibilidade, eu preciso ter coerência entre as minhas falas e minhas ações", disse.

Galípolo declarou que quer fazer “coro” ao presidente do BC, Roberto Campos Neto, que defendeu atuação firme para controle das expectativas de inflação.

Leia na íntegra o que disse Galípolo:

"Eu queria fazer coro à fala que o nosso presidente Roberto Campos fez agora pela manhã na abertura do evento do Banco Central sobre, primeiro, uma questão da discussão de como funciona o nosso arranjo institucional para a política monetária no Brasil.

"A discussão sobre persecução de meta é uma discussão interditada para quem está como diretor do Banco Central do Brasil. […] É importante que a gente volte a todo momento e oportunidade recolocar isso: 'Meta não se discute. Meta se persegue e se atende'.

"O arranjo institucional da política monetária brasileira é o Poder Executivo e o Poder democraticamente eleito, através de seu representante no CMN (Conselho Monetário Nacional), determina qual é a meta de inflação. Cabe aos diretores colocar a taxa de juros num patamar restritivo suficiente e pelo tempo necessário para que a inflação convirja para a meta. Essa é a função do Comitê de Política Monetária e não há qualquer tipo de tergiversação sobre esse tema.

"Acho que isso fica claro na concordância que tem de todos os participantes ali [do Copom] de que existe esse compromisso e a clareza sobre como funciona institucionalmente a política monetária no Brasil dado que todos concordam nesse ponto. A discussão sobre 0,5 p.p. ou 0,25 p.p. Aqueles que acompanham de maneira mais técnica a política monetária, sabem que essa não era uma discussão que inviabilizava essa taxa restritiva o suficiente para alcançar a meta de inflação.

"A discussão era muito mais sobre o que se ganha ao fazer uma redução do ritmo versus o custo que se teria que era a questão de entregar (rever) o guidance. Ganha-se muito ao reduzir o ritmo e é preciso dizer que os debates que foram absolutamente técnicos e com todos meus colegas jamais houve uma conversa do tipo 'Vou convencer um ou o outro'.

"A gente sabia que era uma decisão difícil com pesos para os dois lados e argumentos relevantes para os dois lados. Se por acaso [eu] tivesse votado [pelo corte de] 0,25 p.p., algo que cogitei em vários dos diálogos, estaria muito confortável em apresentar todos os argumentos e o porquê de votar 0,25p.p..

"O ponto mais importante na mudança de 0,5 para 0,25 era sinalizar um tom adicional de preocupação para o mercado para além daquilo tudo que está registrado no consenso entre os membros do Copom na ata.

"Porém, tinha esse custo de não entrega do guidance. Se eu entendo o que é verdade o que vem sendo dito a partir do processo do processo de autonomia de que cada diretor vai ser cada vez mais analisado individualmente no seu comportamento, eu realmente entendo que pode existir um peso distinto para diferentes diretores sobre o custo de largar esse guidance.

"Nos comunicados anteriores sempre tinha uma questão sobre a alteração substancial do cenário. E essa lógica do que é o substancial para cruzar a barra, que é alta, para largar o guidance pode ter um peso distinto para cada um dos diretores. Esse business de Banco Central está muito relacionado com credibilidade. Credibilidade é aquilo que está correlacionado a você ter uma coerência entre aquilo que você fala e faz. E também é uma função do tempo.

"Os diretores que estão há mais tempo conquistaram perante ao mercado pela boa condução da política monetária e por tudo que eles fizeram. Quando você ganha credibilidade, você ganha graus de liberdade. Inclusive, para você poder, eventualmente, não entregar o guidance e, mesmo assim, não gerar uma dúvida no mercado sobre qual é a sua função de reação.

"É absolutamente normal que diretores que chegaram mais recentemente como eu sejam mais demandados para explicar e esclarecer o que eles pensam. Quem vem acompanhando as minhas falas não só ao longo desse ciclo de Copom, mas ao longo de todo o ciclo desde quando eu entre […], dificilmente vai argumentar, pelo menos lendo tecnicamente, que se surpreendeu com meu voto.

"Eu vinha dizendo várias vezes, reforçando a comunicação oficial, inclusive: 'parcimônia e serenidade", "a barra para alargar o guidance é alta", não há uma relação mecânica entre o fiscal, a política monetária norte-americana o câmbio e a nossa política monetária" e "não se emocionar com altos de alta volatilidade.

"No último evento, eu comentei: 'eu gostaria de ganhar mais tempo para ver como que é que essa volatilidade vai reagir […]'. Do ponto de vista prático, para o incomodo que está nos gerando, e é bastante alto, sobre a desancoragem das expectativas […] Eu acho que a gente está numa situação mais desconfortável. A taxa terminal nas expectativas do Focus subiu bastante e a desancoragem permanece. Esse é o ponto que nos incomoda muito. Tem muito valor passar essa noção de preocupação ao reduzir o ritmo como foi proposto pelos 5 colegas que votaram em [corte] 0,25 p.p.

"Mas, realmente, do meu ponto de vista particular, me preocupava muito qual é a função reação que eu poderia passar ao dar um pivô e meia volta em cima de toda a comunicação que eu vinha fazendo e coerência que eu vinha fazendo. Se eu quero com o tempo ganhar credibilidade, eu preciso ter coerência entre as minhas falas e minhas ações", disse.