Putin terá novo encontro com Xi Jinping em meio a piora de conflitos globais

O líder chinês Xi Jinping dará as boas-vindas a Vladimir Putin à China na quinta-feira (16) para a segunda visita do presidente russo em menos de um ano – o mais recente sinal do seu crescente alinhamento no meio do agravamento das divisões globais à medida que conflitos devastam Gaza e Ucrânia.

Foto: O Globo

Foto: O Globo

O líder chinês Xi Jinping dará as boas-vindas a Vladimir Putin à China na quinta-feira (16) para a segunda visita do presidente russo em menos de um ano – o mais recente sinal do seu crescente alinhamento no meio do agravamento das divisões globais à medida que conflitos devastam Gaza e Ucrânia.

Putin chegará à China pouco mais de uma semana depois de iniciar um novo mandato, prolongando o seu governo até 2030.

A sua visita, marcada para os dias 16 e 17 de maio, segundo a mídia estatal chinesa, reflete a visita de Estado do próprio Xi a Moscou há pouco mais de um ano, onde marcou o início de um novo mandato como presidente.

Desta vez, a reunião acontece meses antes das eleições presidenciais americanas e num momento em que Washington enfrenta uma crescente reação internacional devido ao seu apoio à guerra de Israel em Gaza.

O objetivo é fornecer uma plataforma para os líderes discutirem como tudo isto pode promover a sua ambição partilhada de degradação e oferecer uma alternativa ao poder americano.

A visita também ocorre num momento em que os dois líderes operam dentro do que os observadores dizem ser uma coordenação de interesses frouxa, mas crescente, entre os países declaradamente antiamericanos, o Irã e a Coreia do Norte.

Os governos ocidentais acreditam que Pyongyang – que tem uma economia quase inteiramente dependente da China – está a ajudar a Rússia com fornecimentos de guerra, tal como Teerã, que está a ser apoiado economicamente pela Rússia e pela China e é um ator poderoso no conflito no Oriente Médio.

Putin chegará para a visita de Estado de dois dias encorajado pela sobrevivência da sua economia durante a guerra e no meio de uma nova ofensiva importante em pontos-chave da linha da frente na Ucrânia.

Para Xi, recém-regressado de uma digressão europeia, a visita é uma oportunidade para mostrar que a sua lealdade a Putin não quebrou a sua capacidade de interagir com o Ocidente.

Mas a ótica da fidelidade estridente desmente um quadro mais desafiador.

A pressão de Washington sobre Pequim aumenta devido ao seu alegado apoio à indústria de defesa russa.

Na Europa, Xi teve de enfrentar tensões acentuadas em França – apenas acolhidas com alarde na Sérvia e na Hungria, enquanto o principal parceiro da China, a Rússia, permanece isolado na cena mundial.

Xi intensificou os seus apelos à Europa e a outros países para que ajudem o mundo a evitar uma "Guerra Fria", sugerindo que resistam ao que Pequim vê como esforços dos EUA para conter a China.

Mas o próprio líder – inclusive no momento em que recebe Putin esta semana – parece estar a estreitar as relações para sublinhar uma divisão global crescente que poderá aprofundar as divisões com o Ocidente, cuja tecnologia e investimento, dizem os especialistas, a China precisa.

"Vivemos num mundo mais perigoso, os poderes autoritários estão cada vez mais alinhados. A Rússia está a receber apoio para a sua guerra de agressão por parte da China, do Irão e da Coreia do Norte", alertou o chefe da NATO, Jens Stoltenberg, no mês passado.

"Isto lembra-nos que a segurança não é regional, a segurança é global. E devemos trabalhar com os nossos parceiros que pensam da mesma forma em todo o mundo para preservar e proteger a segurança transatlântica."

Grande estratégia

Pairando sobre a reunião de Xi com Putin esta semana estão ameaças ocidentais de ações mais abrangentes contra o seu país se este continuar a enviar certos bens para a Rússia.

O governo dos EUA afirma que as exportações de dupla utilização estão a permitir à Rússia desenvolver a sua indústria de defesa.

"As pressões são indiscutivelmente maiores do que foram nos últimos dois anos", disse Li Mingjiang, professor associado de relações internacionais na Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, apontando para uma nova série de sanções dos EUA no início deste mês visando empresas chinesas – e o potencial para mais, inclusive da UE.

A China afirmou que monitora de perto as exportações de bens de dupla utilização e nega que o seu comércio com a Rússia esteja fora do intercâmbio bilateral normal.

Mesmo os observadores mais próximos da opaca tomada de decisão de Xi estão divididos sobre se tudo isto significa que o líder chinês tentará usar o seu tempo com Putin esta semana para defender uma solução para o conflito em breve.

Mas os dados comerciais oficiais da China de março e abril mostram quedas nas exportações para a Rússia em comparação com os mesmos períodos do ano anterior – indicando que Pequim pode estar a tomar medidas para se proteger contra as sanções ocidentais que atingem mais profundamente os seus setores comercial e financeiro.

Contudo, qualquer recalibração neste domínio não deverá resultar no aprofundamento da cooperação numa série de áreas entre os dois países, que realizam exercícios militares regulares e intercâmbios diplomáticos.

Também é pouco provável que altere os resultados financeiros de Pequim no que diz respeito à guerra da Rússia, dizem os analistas.

"A Rússia é fundamental para a grande estratégia da China", disse Manoj Kewalramani, que dirige os estudos do Indo-Pacífico no centro de investigação da Instituição Takshashila, em Bangalore.

Embora Pequim não queira uma escalada, "há um profundo interesse em garantir que a Rússia não perca a guerra", disse ele.